IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO IMPRIMA SEU BOLETO

EMGEA Participa de Encontro de Juízes em Brasília-DF

           Evento debateu experiências exitosas na área da conciliação

            A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) promoveu o primeiro Fórum Nacional de Conciliação e Mediação (Fonacon). O evento ocorreu de 1 a 3 de junho, no auditório do Conselho da Justiça Federal, em Brasília, e contou com a participação dos ministros do STJ Jorge Mussi, corregedor-geral da Justiça Federal, Marco Aurélio Buzzi e Reynaldo Soares da Fonseca, além de magistrados federais, procuradores e acadêmicos do direito.

            As atividades consistiram nas apresentações de experiências exitosas nas áreas da conciliação e da mediação, de cada um dos cinco Tribunais Regionais Federais, além de debates em grupos temáticos relacionados à conciliação.

            Os painéis abordaram temas como o papel da Defensoria Pública da União na conciliação; a autocomposição nas ações coletivas e o papel do INSS; a conciliação na perspectiva do INSS e da AGU; e o planejamento do futuro da conciliação e o CNJ.

            O volume expressivo de demandas que tramitam atualmente na justiça brasileira reforça a necessidade de se repensar o sistema de Justiça e de se buscar alternativas, como o estímulo à conciliação e à mediação para a resolução dos conflitos.

            Após a abertura do I Fonacon, os participantes assistiram a diversos painéis acerca de temas atinentes à conciliação e à mediação. Deliberaram sobre diversos temas relacionados com a conciliação: a questão do contato institucional; a conciliação e o novo Código de Processo Civil; a conciliação em execução fiscal; a conciliação em matéria previdenciária, a conciliação com a CEF/EMGEA e, por fim, novos horizontes da conciliação na Justiça Federal.

           EMGEA NO EVENTO

            O vice-presidente da Ajufe da 4ª região, Rodrigo Machado Coutinho, presidiu o painel “A Conciliação como Instrumento para diminuição da Litigiosidade no Setor Financeiro Habitacional”, que teve como expositores o Diretor Jurídico da Caixa Econômica Federal, Jailton Zanon, e o Diretor-Presidente da Empresa Gestora de Ativos (EMGEA), Paulo de Tarso Cancela Campolina de Oliveira.

            Zanon abordou os diversos custos computados pela Caixa por causa de processos judiciais: custos de controle, de provisão, de perda do cliente, de defesa, de prejuízo à imagem e relacionamento. Na visão dele, o Poder Público também tem gastos com o processo judicial que poderiam ser evitados com a conciliação.

            “Precisamos melhorar o ambiente favorável à conciliação”, reforçou Zanon. Ele também apresentou algumas medidas que incentivariam a prática, como a construção de salas exclusivas para esse tipo de reunião.

            Na mesma linha, Paulo Campolina falou sobre a mudança de paradigma propiciada pelo advento da conciliação, “Não só a EMGEA, mas, todas as partes, inclusive os magistrados, estão vivendo um processo de aprendizado”. Essa transformação, segundo ele, já gerou frutos positivos.

            Entre os resultados, Paulo de Tarso cita a realização de 152 mil audiências, com acordo em 53% dos casos, e arrecadação de R$ 2,3 bilhões. “Saímos de uma cultura de litígio para uma cultura de conciliação”.

Voltar para o topo